Siga-me por e mail

terça-feira, 4 de junho de 2013

Distúrbios do sono




É comum pessoas com transtornos invasivos do desenvolvimento terem dificuldades na hora de dormir. 
 Essa dificuldade começou a aparecer aqui em casa quando Duda tinha  3 anos e 3 meses. Como eu já relatei em outro texto, Duda não cochila durante o dia. Não me lembro com exatidão desde quantos meses de idade ela parou com o cochilo da tarde, mas com 1 ano e meio ela já não dormia mais durante o dia. Passava o dia bem, brincando e dormia normalmente durante a noite, sem acordar nenhuma vez. 
À partir dos 3 anos de idade, ela começou a dormir muito tarde, onze horas~ meia noite. Dormia bem durante umas 3/4 horas no máximo. Acordava pelas 3 da madrugada super bem, querendo brincar e nem se importava com a escuridão. Levantava da cama e ía procurar os brinquedos. Depois da primeira noite assim, nunca mais ela dormiu uma noite inteira. 
 Tentei de tudo. Levava todos os dias pra brincar no parque, correr pra ver se cansava e finalmente, dormiria uma noite inteira. Não funcionava. Era como se ela recarregasse a bateria em apenas 3 horas de sono. Aqui em casa viramos zumbis. Ela não dormia e não deixava ninguém dormir. 
 Recorri pros chás calmantes pra ver se dava certo. Desses que encontramos no mercado mesmo. Ela não tomava. Quem tem um autista sabe que é impossível tentar forçar algo com eles. Mas até então eu não sabia que ela era autista. 
 Eu ficava inconsolável me perguntando por que essa menina nunca dorme? Tinha dias em que ela ficava sonolenta, mau humorada mas não dormia. Eu notei que aquilo já estava fazendo mal à ela. Todos nós precisamos descansar pra ter uma vida produtiva, não é? 
 Sem saber o motivo de tanta energia, seguimos assim, zumbis por alguns meses, até termos o diagnóstico. 
 A psiquiatra me propôs experimentar dar remédio pra ela dormir pra ver como o organismo dela reagiria. Me explicou que essas horas de sono que ela perdia, faziam mal sim e que futuramente, quando entrasse na escolinha, prejudicaria mais ainda o desenvolvimento dela. 
  Receitou  "Neuleptil"(ニューレプチル) e "Benzarin"(ベンザリン). Os dois medicamentos juntos em pó, como de costume aqui no Japão. 
  As informações à seguir eu tirei da bula, online.


INDICAÇÕES

Neuleptil (Periciazina) é indicado no tratamento de distúrbios do caráter e do comportamento, revelando-se particularmente eficaz no tratamento dos distúrbios caracterizados por autismo, negativismo, desinteresse, indiferença, bradipsiquismo, apragmatismo, suscetibilidade, impulsividade, oposição, hostilidade, irritabilidade, agressividade, reações de frustração, hiperemotividade, egocentrismo, instabilidade psicomotora e afetiva, desajustamentos.

O Benzarin é usado no tratamento de insônia. No Brasil, é usado com nome de Nitrazepan. 

 A psiquiatra me disse também que com o passar dos anos, ela poderia regular esse distúrbio dispensando os remédios. Pode ser que ela não precise mais usar e pode ser que use pra vida toda. 
 Ela se deu bem com os remédios e dorme bem todas as noites. A dosagem é mínima, e mesmo aumentando o peso corporal, talvez não precise aumentar a dosagem. 
 O importante é que não fez mal à ela, pelo contrário. Ela passa o dia super bem. 
 Quero deixar claro que nem todos os autistas necessitam de medicamentos pra dormir. Alguns tem alguns rituais, como apagar todas a luzes e ficar em silêncio já funciona. Outros usam cobertores mais pesados, que induzem o sono. Cada autista é único. 
 O importante é dormir pra ter um dia saudável e dar bastante trabalho pra mamãe, papai, titio, irmã, etc... ^__^

Aqui a dosagem que ela toma. Dou direto na boca e ela nem reclama. ^_^

Nenhum comentário:

Postar um comentário