Siga-me por e mail

terça-feira, 9 de julho de 2013

Planejando o ingresso escolar. Você já se decidiu?


Olá, queridos amigos! 
 Participei hoje de uma palestra sobre planejamento do ingresso escolar para crianças especiais, realizado na instituição que Duda frequenta. 
 Na verdade, ainda faltam 2 anos pro ingresso da Duda no shōgakkō (ensino fundamental), mas, quanto mais informações eu puder ter, melhor pra Duda. 
 E existe a possibilidade da Duda passar a frequentar o jardim de infância "normal" no próximo ano. Caso isso aconteça, preciso ter noção de como agir à partir dessa mudança de ambiente. 
 Citaram números aproximados de crianças especiais que ingressarão no shōgakkō e chūgakkō  (ensino fundamental e médio) à partir de Abril de 2014. Maior parte delas, autistas. 
 Como já citei em outros textos, Duda frequenta jardim de infância para crianças especiais. Lá, eles trabalham usando a terapia de vida diária (TVD) para ensinar a criança se o mais independente possível. Coisas do dia a dia, como, se vestir, fazer as refeições corretamente, conviver e interagir com outras crianças, respeitar regras, e várias outras coisas que nós, pessoas "normais", aprendemos naturalmente. 
 São crianças de 3 a 5 anos de idade, separadas por característica de comportamento, não por idade. 
 Se com 5 anos completos, a criança ainda não estiver preparada para conviver em sociedade, tendo uma certa independência para executar suas necessidades básicas, os responsáveis podem optar por escolas que cuidam somente de crianças especiais. Lá, eles dão continuidade ao trabalho do jardim de infância (ensinando se vestir,comer,etc...) e, dentro disso, incluem atividades escolares. 
 Nos deram informações de 3 escolas voltadas para crianças especiais. Em Toyota, Miyoshi e Okazaki. 
 A melhor escola para inclusão localizada em Aichi ken, é a de Miyoshi. 
 Como fazer a escolha certa? A melhor opção sempre será a que se encaixar nas necessidades da criança, não dos pais. Não escolher por comodidade, por ser perto de casa ou pela profissão do responsável. 
  

 *Para decidir entre uma escola especial, e, uma escola normal com sala especial:

  1. Você precisa olhar pro seu filho e notar se ele teve desenvolvimento mental durante o tempo em que ele frequentou o jardim de infância. 
 2. Seu filho precisa conseguir se comunicar de alguma forma 
 3. Ele consegue se concentrar? 
 4. Consegue sentar e fazer as refeições do jeito certo, usando talher?
 5. Ele consegue ir ao banheiro sozinho? 
 6.  Ele consegue trocar de roupa sozinho? 
 7. Capacidade de imitar
 8. Capacidade de ouvir o professor
 9. Ter interesse em interagir com outras crianças


 Se a criança conseguir fazer tudo isso, optar por uma escola normal, em sala especial, seria a melhor escolha. 
 Se a criança não conseguir, seria melhor optar pela escola especial. 
 Mas, se mesmo sem conseguir, os responsáveis optarem por escola normal em sala especial, é um direito. 
 Aqui em Toyota é assim, mas, em outras cidades pode ser diferente. 

Visite a escola que você planeja colocar seu filho.  Veja com seus próprios olhos como é o funcionamento. Imagine seu filho naquele ambiente e veja se ele tem condições de conviver harmoniosamente com as outras crianças. 
 Quem tem um filho autista sabe como é difícil fazer com que eles controlem suas emoções e vontades. 
 Para uma criança autista frequentar uma escola normal, em sala especial, ele precisa ter noções básicas da vida. Um exemplo, quando sentir calor, tirar a blusa sem que ninguém o mande fazer e saber que só pode tirar a blusa, não a roupa toda. Saber como agir e até que ponto agir.
 Dentro de uma escola especial eles são protegidos e recebem ajuda em tudo. Em uma escola normal, essa "proteção" não vai existir, e, ele precisa ter essa noção do que fazer e até que ponto fazer. 
 Os pais precisam se basear no comportamento da criança no meio de muitas pessoas, não no comportamento dentro de casa. 
 É uma  decisão difícil quando você coloca em questão outras coisas. 
 Mas se você pensar somente na criança, no que for melhor pro desenvolvimento dela, sem trazer sofrimentos, essa decisão fica fácil. 
  Pode ser que a opção que você escolheu seja mais distante de casa, você não vai poder trabalhar, vai ter que acompanhar a criança na ida e na volta. Vai complicar a vida financeira e atrasar alguns planos. Mas, imagine seu filho num mundo em que você não exista mais. Ele vai precisar se virar sozinho, cedo ou tarde. Que quando isso acontecer, ele esteja preparado para enfrentar o mundo sem sofrer tanto. 
  Meu coração dói só de imaginar. 
  Meu maior sonho, minha meta de vida é incluir a Duda na sociedade, ensinar ela a ser independente. 
  Quero viver até os 100 anos, pelo menos! ^_^ 
 Haja leite de soja e peixe, meus amigos! Hahaha
 Força, esperança e amor, SEMPRE! 

11 comentários:

  1. Oi, vim por indicação do Alexandre Mauj Imamura.
    vim porque tenho um irmão especial. Mas ao contrário de vc, descobrimos tarde demais. Hj ele tem 56 anos... Não estudou em colégios especiais, nem em Apae's, nada... Fez até a quinta-série antiga (sexto ano hj). Sempre foi jogado em casa, tratado de maneira bruta... pq aqui ninguém sabia do seu autismo... Meu irmão não acredita nisso...
    Mas eu sei q ele tem...
    Ele ficou brutalizado...
    Agora q a mãe se foi, estão decidindo quem dos irmãos fica com ele...
    Seu texto ficou ótimo... desculpe o desabafo...
    estarei acompanhando seu blog!
    bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Milene! Eu imagino a angústia que sua família viveu, e ainda vive. E o sofrimento do seu irmão também. Não existe nehuma instituição em que ele possa passar o dia? Eu tenho muita vontade de conhecer adolescentes e adultos autistas para poder observar o comportamento deles. O autismo foi descrito cientificamente em 1943, na época do seu irmão certamente era muito difícil o diagnóstico e o acompanhamento. Nossa, só de imaginar todo sofrimento de vocês, fico comovida, mesmo. Desejo muita força à toda sua família!
      Obrigada por me acompanhar! A ajuda do Alê está sendo essencial pro blog. Só tenho a agradecer.
      Beijos!

      Excluir
  2. Beijos doces, leves e perfumados no seu coração...só isso, simples assim!!!

    ResponderExcluir
  3. Olá, Vanessa!
    Vim pela indicação do nosso mais querido amigo Alexandre e, embora não conheça muito sobre o assunto, dou meu apoio aos pais que têm que enfrentar tantas dificuldades para a inserção do filho aos moldes da nossa sociedade.
    Percebo que moras no Japão e isso já é meio caminho andado para que seu filho seja bem tratado e respeitado. Estimo que tenham sucesso para o futuro e, mais que tudo, muito amor para ajudá-lo a superar as adversidades mundanas.
    um grande abraço carioca


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Beth!
      Moro no Japão, na cidade de Toyota. Aqui ela tem todo acompanhamento que precisa. É uma luta diária que enfrentamos, sem fraquejar. O apoio de outras pessoas é muito importante. Eu ficava extremamente triste quando alguém olhava pra minha filha de um jeito diferente. Hoje em dia já consigo lidar com isso com naturalidade. É vivendo e aprendendo, todos os dias.
      Obrigada pela força! Abraços!

      Excluir
  4. Vanessa.
    Cheguei aqui também através do querido Alexandre e fiquei feliz demais por conhecer você e seu empenho.
    Ser mãe não é fácil e ser mãe de autista é um desafio muito grande pois nossa sociedade espera um modelo e estas crianças estão aí justamente para nos mostrar que não existe um modelo, né.
    Admiro sua força e também sua capacidade de enxergar o que é melhor para a Duda.
    Parabéns viu.
    Grande abraço pra vcs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Liliane!
      Não é fácil mesmo, viu? Antes do diagnóstico, minha vida estava um caos. O comportamento dela só piorava, e por falta de informação, eu nem fazia idéia que era comportamento autista.
      Sofria com as crises nervosas, que ela sempre tinha quando estávamos fora de casa. Chamava muita a atenção das pessoas que estavam por perto, e aquilo me deixava muito triste. Depois do diagnóstico tudo mudou. Com ajuda eu consegui entender e dar continuidade em casa, às terapias feitas na escola.
      Agora me sinto segura pra tomar qualquer decisão com relação ao comportamento dela, que vem mudando a cada dia.
      É um amor incondicional que me guia, todos os dias.
      Obrigada!

      Excluir
  5. Oiiii Vanessa td bem?? E a Duda esta bem??
    Parabens ela eh linda....moro tbm no Japao
    E estou a procura de um bom medico para levar meus filhos ...ultimamente eles estao reagindo de uma
    Forma diferente ... Estou mto preocupada ....sera que vc teria alguma contato???
    Queria tanto alguem p converSar 😪si vc tiver um contato ....agradeço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ludimila! Anota meu e mail: nessa@aol.com.br
      Pode me mandar e mail qualquer hora, conte comigo!

      Excluir
  6. Oiii Vanessa td bem? E a Duda como esta??
    Primeiramente gostaria de parabeniza-la ela eh linda😉 vc tem algum outro jeito para mantermos contato...
    Estou mto preocupada cm meus filhos que estao reagindo de uma forma diferente ....estou tentando levo-los ao medico mais estao todos lotados ...ate la fico nessa angustia sem saber e como agir 😪

    ResponderExcluir